Pular para o conteúdo principal

A Pré-história em Canguaretama



São raros os trabalhos de pesquisa científica que se refiram à pré-história de Canguaretama. Os que existem são quase desconhecidos pela maioria dos historiadores. Por esse motivo, as informações vêm de fontes empíricas e deduções feitas a partir de estudos em outras localidades.
O litoral sul do Rio Grande do Norte foi povoado por volta do ano 10.000 a.C. com uma população pequena e pouco conhecida. Vivendo no litoral, se alimentavam principalmente de peixes e crustáceos, mas também coletavam frutos e caçavam pequenos animais. Eram povos nômades ou seminômades que já utilizavam o fogo e viviam em pequenos grupos familiares de 10 a 20 indivíduos.
Foi nessa época que ocorreu a última glaciação, conhecida também como a era do gelo. O oceano estava, então, 150 metros mais baixo e recuado pelo menos 1500 metros da margem atual. Por esse motivo, muito dos vestígios pré-históricos podem estar submersos nas águas do litoral. Ainda existia, nesse mesmo período, a megafauna, com a presença de grandes animais
pré-históricos como o bicho-preguiça gigante, o mastodonte e o tigre-dente-de-sabre. No geral, o clima era mais frio e seco, porém, há a possibilidade da existência de uma densa floresta nas margens dos rios, onde a temperatura e umidade poderiam ser mais altas.
A primeira população pré-histórica deveria ter características físicas diferentes dos nativos atuais, e possivelmente eram negroides, mas desapareceram com a chegada das etnias atuais. A etnia tupi tem características físicas diferentes, são mongolóides, e chegaram à região por volta do ano 1.000. Possivelmente a ação guerreira do povo tupi tenha dizimado as populações anteriores ou os tenha afastado do litoral. Suspeita-se que o uso de armas, como o arco e flecha, proporcionou superioridade aos tupi[1], que em situações de guerra teriam exterminado os paleoíndios.


[1] Conforme a Convenção para a grafia dos nomes tribais, de 1953, as denominações indígenas não sofrem flexão de número ou gênero.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem é a Comadre Fulozinha

A Comadre Fulozinha é uma entidade espiritual que não pode ser vista, muito embora se diga que ela tem forma humana e aparece como uma moça de cabelos longos. Contam que é uma criança que distanciou-se da mãe, perdeu-se na mata e passou a viver, então, entre os bichos para ser sua protetora. Com um cipó na mão costuma surrar os caçadores e seus cães, afugentando-os das matas. Um assovio agudo é o sinal de sua presença. Quando assovio soa longe é porque está por perto, mas se o assovio for próximo é sinal que ela está longe. Às vezes ela assovia no ouvido dos caçadores, o que pode causar surdez temporária. Quando alguém experiente vai caçar e percebe alguma coisa estranha, sempre volta à entrada da mata para oferecer à Comadre Fulozinha um pouco de fumo. Por gostar de fumar, ela se entreteria momentaneamente e deixaria o caçador em paz. Quando faz suas visitas às casas, as pessoas colocam pratos de papas ou coisas doces para que ela não fique enfurecida. Comadre Fulozinha seria a protetor…

O MISTÉRIO DAS BOTIJAS DE CANGUARETAMA